segunda-feira, 30 de março de 2015

São Luís (MA)

I Encontro Nacional do Movimento Hip Hop Militante Quilombo Brasil ocorre de 2 a 4 de abril


Movimento Hip Hop Quilombo Brasil realizará encontro histórico na cidade de São Luís


No período de 02 a 04 de abril a cidade de São Luís, capital do Maranhão alcunhada de “ilha rebelde”, será palco de um encontro de Hip Hopmilitante que deverá entrar para história deste movimento no país. O encontro pretende reorganizar o Movimento Hip Hop Quilombo Brasil que foi fundado em 2010. Com o tema“Fortalecer o Hip Hop para organizar a periferia na luta contra as opressões e o capitalismo!” o encontro pretende reunir delegações de pelo menos oito estados da federação com aproximadamente 150 ativistas da cultura Hip Hop, entre delegados e convidados.

A entidade anfitriã do encontro é nada mais nada menos do que o Movimento Hip HopOrganizado do Maranhão “Quilombo Urbano”, organização que em 2014 completou 25 anos de existência, uma das mais antigas do Brasil.
Nos três dias de encontro serão debatidos temas como conjuntura política, o extermínio da juventude negra, luta contra as opressões (de raça, gênero e orientação sexual), produção cultural e autogestão no Hip Hop, método de organização, etc.

 O encontro acontecerá num contexto de polarização política e de acirramento da luta de classe e de raça em nosso país, o que aumenta ainda mais a importância de sua realização.  A expectativa dos organizadores e das delegações que se farão presente é de elevar o MHMQB a um grande pólo de organização política e cultural da juventude negra e pobre do país frente aos ataques dos governos e do grande capital.


Fundado em 2009, o Movimento Hip Hop Militante Quilombo Brasil (MHMQB) é uma entidade político-cultural de âmbito nacional que utiliza os três principais elementos da cultura Hip Hop (O break, expressão corporal, o grafite, arte visual e o rap, o canto falado) como instrumento de conscientização e mobilização da juventude negra e pobre da periferia para lutarem contra a exploração e toda forma de opressão.

Como princípios basilares, o MHMQB não aceita verbas do Estado e de grandes empresas, justamente para manter completa autonomia política e independência financeira perante o Estado capitalista e sua burguesia. Como alternativa, o MHMQB faz da autogestão sua principal política financeira, utilizando artefatos produzidos pelos próprios membros da cultura Hip Hop (CD, camisetas, materiais grafitados, adesivos, promoções de shows para arredarão de finanças, etc.), além de contar com parcerias financeiras entidades do campo combativo.

Grandes campanhas foram empreendidas pelo MHMQB em seus cinco anos de existência como o “Hip Hip do Bem Pela Retirada das Tropas da Onu do Haiti”, “Pelo da Guerra Interna na Periferia”, “Contra o Extermínio da Juventude Negra” construção das “Marchas da Periferias” e outros atos e eventos encabeçados por sindicatos e organizações populares e de esquerda.

Os coletivos de Hip Hop de diversos estados do Brasil que compõem o Quilombo Brasil tem como principal forma de organização as chamadas posses que funcionam como células políticas e culturais de cada um desses coletivos nos bairros. Aproximadamente seis coletivos estaduais formam o MHMQB (Quilombo Urbano de São Luís e Chapadina-MA, Ministério das Favelas – Caxias-MA, Nós por Nós-CE, Principio Ativo-PI, Nova Tropa de Zumbi-AL), mas há uma grande expectativa de que essa organização estenda suas ações para mais sete estados da federação nos próximos meses fazendo com que a mesma se transforme na maior organização de Hip Hop militante do país.

Esse processo é fruto das reuniões realizadas pelo MHMQB com quase 100 ativistas de Hip Hop de diversos estados do Brasil durante a realização I Encontro de Negros e Negros da CSP-Conlutas ocorrido no dia 23 de março da cidade de São Paulo-SP.

Dentre os coletivos que compõe o MHMQB e que foi uma de suas entidades fundadoras destaca-se o Movimento Hip Hop Organizado do Maranhão que no ano de 2014 completou 25 anos de existência, uma das mais antigas entidades de Hip Hop do Brasil.

Como deliberação da reunião ampliada realizada na cidade de SP e para coroar as comemorações de 25 anos do Movimento Hip Hop Organizado do Maranhão “Quilombo Urbano” o MHMQB propõe a realização do seu I Encontro Nacional na cidade de São Luís-MA no período de 2 a 4 de abril de 2015.
Todo apoio!

Professores do Estado do Pará iniciam greve com assembleia e ato em Belém (PA)

26/03/2015


Greve foi decidida pela categoria semana passada e conta com o apoio de pais e estudantes

Mesmo debaixo de uma forte chuva característica do inverno amazônico, os professores da rede estadual do Pará deram início oficialmente à greve decidida pela categoria na semana passada. Mais de 2.500 trabalhadores da educação participaram da assembleia realizada nesta quarta-feira (25), às 9h, em São Brás, pelo Sindicato dos Professores do Estado do Pará (SINTEPP), que contou também com o apoio de estudantes da rede pública e pais de alunos.

greve dos professores estaduais do Pará

O movimento de paralisação por tempo indeterminado da categoria tem como principal reivindicação a exigência de que o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB) pague o piso salarial dos professores que está atrasado desde janeiro, além da manutenção das aulas suplementares sem redução de salários, eleição direta para diretor e implementação do Plano de Carreira Unificada. Cerca de 80% da categoria, aderiu ao movimento grevista.


Greve dos professores estaduais do Pará 2 como Objeto Inteligente-1
A greve começou a ser organizada pela categoria desde segunda-feira (23) quando os professores reuniram-se com estudantes explicando os motivos que os levaram à paralisação. Na terça-feira (24), foi a vez dos pais dos alunos participarem de reuniões nas escolas com a categoria. Na assembleia de quarta-feira (25), estudantes de algumas escolas estaduais como a escola Augusto Meira, umas das maiores de Belém estavam presentes com cartazes em apoio e solidariedade à greve dos professores. Eles chegaram à assembleia cantando: “O professor é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo”.

greve dos professores estaduais do Pará 1

Pouco mais de 10h, a categoria saiu em passeata com carro-som, fechando a Avenida Almirante Barroso, principal via de entrada e saída de Belém e se dirigindo até a Secretaria de Administração do estado (SEAD). Durante o ato, os professores receberam o apoio e a solidariedade de diversas pessoas nas ruas, de operários da construção civil que trabalhavam em obras próximas. Gilmar Mendes, diretor, representando o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Belém, filiado à CSP-Conlutas, esteve presente no ato e falou no carro-som que os operários do setor estão apoiando a greve dos professores.

O pedagogo e especialista em educação, Antônio Diniz, disse em entrevista que a situação da educação pública no Pará é lamentável. Enquanto Jatene cria uma secretaria especial para sua filha, os professores e alunos sofrem com escolas sucateadas, com a falta de merenda escolar, falta de livros didáticos, e outras coisas. Ele denunciou que Jatene quer mexer na jornada dos professores, o que acaba mexendo também com os seus vencimentos. O atraso do pagamento do piso, que deveria ser reajustado em 13,01%, gera revolta e indignação já que governo sinalizou pagar só no fim de abril e não há perspectivas de os professores receberem os retroativos correspondentes a janeiro, fevereiro e março. “A categoria não vai aceitar parcelamento de piso”, disse Antônio.

No meio do ato, a TV Liberal, filiada à Rede Globo, foi expulsa pela categoria por ter chamado em seu jornal, os professores de trapaceiros e mafiosos. Josyanne Quemel, professora que constrói a Oposição Luta Educador, filiado à CSP-Conlutas, disse que quem mente é a Liberal e Jatene, e que a luta dos professores é em defesa da educação pública.

O ato terminou em frente à SEAD, onde a categoria votou uma agenda de lutas para os próximos dias e sua participação em massa, amanhã, no dia 26 de março, dia nacional em defesa da educação pública. A greve começou e começou forte.

Carga de madeira é apreendida em Parauapebas pela Polícia Civil

Compartilhe
Share Button
ira
Não é a primeira vez que madeira de procedência desconhecida e ilegal é apreendida em Parauapebas, fato que, segundo o delegado Tiago Carneiro, acontece com certa frequência e só não tem dado publicidade para não atrapalhar as investigações.
Desta vez, por força de denúncia, foi preso em flagrante Geraldo Pires Lima por crime ambiental. De acordo com informações colhidas na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas, o suspeito estava trafegando na rodovia Faruk Salmem com uma carga de madeira ilegal e sem autorização dos órgãos competentes.
Apresentado o flagrado disse não ser dono da mercadoria e ter apenas sido incumbido do transporte. Outros detalhes são mantido em sigilo de justiça para não atrapalhar as investigações.
O veículo com a madeira, agora objeto do crime, estão à disposição no pátio da 20ª Seccional e Geraldo Pires detido na cadeia pública local, enquanto se conclua as investigações que deverá incriminar todos os envolvidos no esquema.
Flagrante recente – Em abril do ano passado sete caminhões com 28 toras de madeira sem licença para transporte foram apreendidos no município de Parauapebas, sudeste do Pará. A apreensão foi realizada por policiais civis de Belém, que realizam operações na região de prevenção e combate a crimes, e da Seccional Urbana de Parauapebas.
Os veículos foram apreendidos em duas estradas vicinais conhecidas como Garimpeiros das Pedras e do Rio Preto, situadas a 10 km da rodovia principal. A apreensão aconteceu no momento em que a equipe de investigadores de Parauapebas levantava informações sobre um crime ocorrido na cidade. Eles descobriram que havia caminhões posicionados estrategicamente nas estradas, com toras de madeira. Diante disso, duas equipes, coordenadas pelo delegado Marcos Lemos, se deslocaram ao local e descobriram, inicialmente, um caminhão abandonado com três toras de madeira. Mais adiante, os policiais encontraram outros quatro caminhões e uma caminhonete, onde estavam cinco pessoas, que, segundo a polícia, tomavam conta dos veículos.
Outros dois caminhões surgiram logo em seguida no local e também foram apreendidos com madeira da essência castanheira, que é protegida por Lei. Cada veículo transportava uma média de 3 a 5 toras de madeira. Enquanto os policiais estavam na estrada, apareceu o madeireiro conhecido por Macarrão, que se identificou como dono de quatro dos caminhões apreendidos. Os veículos com as madeiras foram levados, em comboio, para a Seccional Urbana da Polícia Civil, em Parauapebas.
Fotos: Divulgação / Polícia Civil
Fonte: Pebinha de Açucar
Vale pode “vender” Carajás

Compartilhe
Share Button
sd11
Que a mineração de ferro na mina chamada de S11D, em Canaã dos Carajás, é a nova menina dos olhos da Vale, isso não é novidade. Mas o que dizer do impensável: que a mineradora pode ter de se desfazer de um dos seus emblemáticos ativos de minério de ferro, na medida em que o preço da principal commodity continua em queda no mercado internacional! A avaliação de que a gigante terá de fazer opções está num relatório divulgado nesta sexta-feira (27) pelo Deutsch Bank.
O assunto foi divulgado ontem pelo blogueiro Zé Dudu, de Parauapebas. Em um cenário de minério de ferro a US$ 45 a tonelada até final de 2017, “estimamos que Vale poderia ter um déficit de financiamento de US$ 10 bilhões”, diz o analista do Deutsche Bank, Wilfredo Ortiz.
O documento diz, ainda, que “quedas maiores e mais rápidas que o esperado nos preços do minério de ferro, combinadas com reduções nos custos operacionais, resultaram em um balanço de pagamentos precário da Vale”.
Em uma situação com esta, vender ativos é uma opção melhor para cobrir a necessidade de financiamento do que se endividar. “Sob as condições atuais do mercado, apenas os ativos mais valorizados podem ser vendidos sem destruir valor”, afirma o relatório.
Em outro trecho, o documento diz que a “Vale deveria considerar vender uma pequena participação em seu Sistema Norte, as joias da coroa, em um esforço para fortalecer seu balanço de pagamentos”.
“Pelas nossas estimativas, a venda de participação de 15% ou 20% poderia levantar US$ 8 bi ou US$ 10 bi, o suficiente para cobrir a maior parte dos US$ 11 bi necessários em investimento de capital e escorar o balanço de pagamentos para enfrentar praticamente qualquer turbulência no mercado de minério de ferro”, declara o documento da Deutsch.
Desinvestimentos
Essa é uma outra estratégia já vem sendo seguida há alguns anos e ajudou a aumentar o lucro líquido de R$ 115 milhões em 2013 para R$ 954 milhões em 2014. No ano passado, a empresa já reduziu os investimentos em US$ 2,25 bilhões em relação a 2013.
A lista para os próximos desinvestimentos foi divulgada no Vale Day. Para este ano, a empresa pretende desinvestir ou vender ativos na sua joint venture de carvão e na de fertilizantes, na sua operação na Indonésia (PVTI) na MRS Logística e na Mineração Rio do Norte, de bauxita.
Com as vendas e desinvestimentos, a Vale pretende se concentrar mais em seus negócios centrais, eliminar ativos que não estejam rendendo conforme o esperado e gerar caixa.
www.zedudu.com.br

domingo, 15 de março de 2015

Tráfico de drogas leva mãe e filha para o xilindró em Parauapebas

Mãe e filha vendiam drogas em uma distribuidora de bebidas que fica localizada no bairro da Paz, em Parauapebas. Agora, elas foram presas e estão à disposição da Justiça e o estabelecimento comercial permanecerá fechado até que as investigações sejam concluídas

Neste sábado (14), respectivamente mãe e filha foram pegas “com a mão na massa”, acusadas pelo tráfico de drogas e foram presas pela Polícia Civil. Tratam-se de Ana Lourdes Pinto Pereira e Maria Domingas Pinto Pereira.
De acordo com informações repassadas à equipe de reportagem do Portal Pebinha de Açúcar pela Polícia, mãe e filha utilizavam como “fachada” uma distribuidora de bebidas para realizaram o comércio ilícito da venda de drogas.
Fonte: Pebinha de Açucar..







Imagens do protesto “anti-Dilma” em Parauapebas


IMG_0023
Um ato inédito foi realizado na manhã deste domingo (15), em Parauapebas. Mais de 100 manifestantes munidos de cartazes, faixas e vestidos de verde e amarelo, saíram pelas ruas da cidade e se manifestaram contra o Governo da Presidente do Brasil, Dilma (PT);
A concentração se iniciou nas proximidades da Portaria que dá acesso ao Núcleo Urbano e Minas de carajás, e a manifestação percorreu as principais ruas da cidade.
Veja as fotos de Bariloche Silva – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar
OBS: Para ampliar a imagem, clique na foto!